Trabalho entrosado da comissão técnico ajuda Seleção Brasileira Sub-16 na preparação para Copa América

O trabalho coeso, entrosado e alinhado da comissão técnica da Seleção Brasileira Sub-16 Masculina tem sido um ponto importante para que o período de preparação, visando à disputa da Copa América da categoria, seja muito bem aproveitado e altamente produtivo. Assim está acontecendo diariamente, em Belém (PA), durante treinamentos e nas outras atividades que o grupo tem realizado.

Na visão Felipe Santana, o objetivo de todos é o mesmo, por isso, o trabalho integrado tem fluido naturalmente. “O entrosamento entre os integrantes do staff é fundamental na preparação de qualquer equipe. E aqui conseguimos formar uma equipe excelente, onde todos se ajudam o tempo inteiro e interagem constantemente. Ao final de cada microciclo nos reunimos para discutir como foi a semana, cada um discorrendo sobre sua área, seja ela médica, física, técnica, administrativa, etc. Isso é muito importante, pois não se pode tratar cada área de forma isolada, já que uma impacta diretamente sobre as demais. Todos aqui presentes mergulharam de cabeça nessa preparação e estão 100% focados no objetivo de termos um grande desempenho nessa Copa América”, explicou o técnico do selecionado nacional, que está trabalhando com 13 jogadores.

“O trabalho coeso ajuda bastante, sem dúvida alguma, o fato de nos conhecermos e já ter trabalhado juntos em outras seleções facilita muito as ações e o entendimento das partes, fazendo com que o selecionado nacional ganhe muito com isso. O grupo de trabalho consegue se entender facilmente, pois temos um grande entrosamento, tanto dentro, como fora de quadra, então, isso é um fator positivo, que agrega bastante valor a essa preparação”, acrescentou Bruno Savignani, assistente técnico.

Para o médico Vitor Moreira Camilo da Silva, a forma de trabalho da comissão técnica multiprofissional integrada é de extrema importância. “Tanto para a preservação da saúde dos atletas, quanto para a performance esportiva, pois tem nas mãos uma equipe que planeja desde os treinamentos táticos e físicos, controlando dia a dia a carga a ser trabalhada nos ciclos de treinamento, por meio dos três técnicos e um preparador físico, que estão em sintonia total, aliados aos profissionais de saúde, desde nutricionista, fisioterapeuta e médico, que realizam um trabalho preventivo e com intervenções a fim de tratar os atletas e deixá-los em sua melhor condição de saúde para darem seu máximo na competição. Como médico esportivo, é uma oportunidade única e muito agregadora esta de ser um team physician, trabalhar em simbiose com toda comissão técnica e os atletas, colocando em prática os conceitos médicos e atuando de forma interdisciplinar com a elite do basquete mundial”, explicou.

“Na minha ótica, vejo como imprescindível o bom relacionamento e interação da comissão técnica. A sintonia entre os integrantes é fundamental para a evolução do trabalho, para a conquista dos objetivos traçados (seja no período preparatório, seja na competição), e para deixar, inclusive, os atletas mais tranquilos para despenhar suas funções. O respeito mútuo, profissional e pessoal, é algo que fortalece e torna o grupo todo sólido. Esse respeito parte dos integrantes da comissão técnica, servindo de exemplo aos atletas. Nesse aspecto, nossa comissão está em perfeita harmonia e sincronismo”, complementou o fisioterapeuta Rafael Francis Plein.

A comissão técnica é formada por Renato Lamas Pinto (gerente técnico), Felipe Santana (técnico), Bruno Savignani (assistente técnico), Jhonatan dos Santos (assistente técnico), Marcus Vinicius Costa Lima (preparador físico), Vitor Moreira Camilo da Silva (médico) e Rafael Francis Plein (fisioterapeuta). O técnico da Seleção Brasileira Adulta Masculina, Aleksandar Petrović, está acompanhando os treinamentos desde sexta-feira (24 de maio).

“Minha função é ficar na retaguarda acompanhando o desenvolvimento dos jogadores com o decorrer dos treinamentos, buscando passar um pouco da minha experiência ao grupo”, comentou Petrović, que seguirá em Belém (PA) até o termino da Copa América.

Os treinamentos preparatórios acontecem até 02 de junho (domingo). Já a estreia brasileira na Copa América Sub-16 Masculina acontece no dia 03 de junho (segunda-feira), às 20h30 (de Brasília), contra Porto Rico, na Arena Guilherme Paraense, em Belém (PA). Os demais confrontos do selecionado nacional na primeira fase são estes:

- 04 de junho (terça-feira), às 20h30 (de Brasília): Brasil x Canadá
- 05 de junho (quarta-feira), às 20h30 (de Brasília): Brasil x Uruguai

Para entrar no ginásio e apoiar a Seleção Brasileira, o torcedor deve levar um quilo de alimento não perecível, que será equivalente ao ingresso em cada um dos jogos.

De acordo com o regulamento, na fase inicial as equipes jogam entre si, dentro de seus respectivos grupos, em turno único, apurando as colocações do primeiro ao quarto lugares. Nas quartas de final, ocorre o cruzamento dos grupos: 1º colocado do Grupo A x 4º colocado do Grupo B, 2º colocado do Grupo A x 3º colocado do Grupo B, 3º colocado do Grupo A x 2º colocado do Grupo B e 4º colocado do Grupo A x 1º colocado do Grupo B. Os vencedores avançam à semifinal. Posteriormente, os ganhadores dos jogos semifinais decidem o título. As quatro melhores seleções garantem vaga na Copa do Mundo Sub-17 Masculina 2020.

Nesta primeira fase, o Grupo A é formado por Estados Unidos, México, Argentina e República Dominicana. Já o Grupo B tem Brasil, Canadá, Uruguai e Porto Rico.

Jogadores
Daniel Duque Santos Frederico (ala/pivô) – 15 anos – 1m98 – Minas Tênis Clube
Eduardo Barbosa Sanchez (ala/pivô) – 15 anos – 1m96 – Basquete Rio Claro
Emanuel Fernandes de Lima (ala/pivô) – 15 anos - 1m97 – EC Pinheiros
Felipe Faustino Nascimento (ala/pivô) – 16 anos – 1m97 – Sesi/Franca Basquete
Felipe Motta (ala/armador) – 16 anos – 1m97 – Stella Azzurra Roma (Itália)
João Victor Capela dos Santos (armador) – 15 anos – 1m85 – SE Palmeiras
João Victor Scopel de Oliveira (lateral) – 15 anos – 1m93 – SE Palmeiras
Matheus Leoni Brito de Oliveira (ala/armador) – 16 anos – 1m84 – SE Palmeiras
Pedro Henrique Rufino Coelho (ala/pivô) – 15 anos – 2m01 – NBA Academy Latin America (México)
Rodolfo Rufino Bolis (lateral) – 15 anos – 1m98 – NBA Academy Latin America (México)
Tiago Alcântara Abbade Aguiar Faria (armador) – 16 anos – 1m76 – EC Pinheiros
Vinicius Biagioni Vicenti (ala/armador) – 16 anos – 1m87 – Clube Campineiro de Regatas e Natação/Akdmia
Vitor Rocha Ibiapina (lateral) – 16 anos – 1m97 – Minas Tênis Clube